jusbrasil.com.br
15 de Dezembro de 2017

O Gênero Humano nos dias atuais

O Gênero Humano e o capitalismo selvagem no Brasil.

Tiolu Oliveira, Advogado
Publicado por Tiolu Oliveira
há 2 anos

Na reflexão do dia como se estive no pico de uma montanha passei a olhar o mundo em que vive o homem. A ciência se multiplica e se destaca no auge do mundo do capitalismo selvagem. O gênero humano por sua vez, perde o seu valor, sua dignidade e morre como um cão abandonado na sarjeta.

Sob a pecha de uma liberdade democrática que não existe prevalecem os grandes capitais. Homens poderosos dentre eles, os políticos, se elevam no valor humano, enquanto a massa pobre sofre as argúcias da enganação e abandono.

Enquanto a parcela rica é bem cuidada em hospitais de primeiro mundo, a grande massa pobre se submete aos escárnios e humilhação abandonados nos corredores de hospitais, instalados no modelo e semelhança dos campos de concentração dos tempos de Hitler. Provém de um sistema falido considerado pelos nossos políticos como o melhor do mundo. Quem duvida sugere-se visitar o corredor de um hospital mantido pelo SUS. O SUS direcionado a cuidar da saúde pública nos dias atuais mata mais crianças, adultos, idosos que nos campos de concentração da era Hitler. E ninguém ousa investigar esse genocídio nem qual vala escapou os valores que ali deveriam ser aplicados. Não se faz auditoria desses contratos misteriosos os quais consomem todo os recursos destinados à Saúde por determinação legal.

Nossos jovens são entregues todos os dias nas mãos do submundo do crime, tráfico de drogas, roubos, prostituição (estimulada pelo próprio poder público). Diferente da classe rica, a massa pobre enfrenta um sistema educacional falido, de cujo sistema sequer permite sobressair na vida profissional.

Os poderes se concentram na corrupção e manipulam o dinheiro público, obrigando o suposto estado de direito a colocar sobre os ombros da sociedade uma carga tributária desumana. Sangrenta. Mortífera.

Bilhões arredados os quais ignorando o caos do transporte público interno investe em países parceiros de ideais políticos e interesses pessoais escusos. Cede força ao capital estrangeiro de montadoras e não tem iniciativa para edificar ferrovias, mantendo a malha rodoviária sufocada por veículos pesados, resultando em um transporte carente e desgraçado, que coloca em risco toda a economia do país. Não há dúvida que se a fortuna arrecadada fosse investida no Brasil com seriedade nos colocaria rapidamente no rol do primeiro mundo dominante.

Vivemos um sistema de segurança pública monopolizada pelo Estado totalmente falido e corrompido, de cujo direcionamento serve para alimentar o crime organizado. Por sua vez, dita a regra e decidem quem morre ou quem vive. No ensejo do alto risco o cidadão de bem com poder aquisitivo se submete à exploração de empresas privadas de segurança e outros meios que possam equilibrar a segurança pessoal. Da grande massa pobre indefesa e ignorada pelo Estado, a cada ano 60.000 vidas são ceifadas pela violência e o sistema investigativo do estado não demonstra sensibilidade para solucionar o grave problema. É o crime dominando as forças estatais.

Inconformado cheguei à conclusão que esse é o caminho da vida. A experiência da vida me ensinou que na aparência da honestidade se oculta o mais indigno dos homens. No exercício da Autoridade está o desrespeito e a ilicitude. Estamos vivendo a era da mente corrompida. O dinheiro e os interesses pessoais valem mais que a vida. E o que é pior, mais que a própria alma. A ganância, a corrupção, envenenaram a alma dos homens, fez crescer o sentimento de ódio, da alta destruição, levando a humanidade à marchar a passos largos para a miséria e alto extermínio.

A ciência se multiplicou a níveis incompreensíveis, mas se impõe no uso da maldade e do desrespeito ao próprio sentimento humano. Usa-se do Poder para sofisticar as falcatruas e o uso da Autoridade humana para massacrar o mais fraco. Usa-se da ciência para acobertar crimes, para o enriquecimento ilícito e outras condutas que se descritas causam descréditos em qualquer ser vivente. O que deveria salvar vida mata. O que deveria servir para coibir o ilícito acoberta a conduta corrompida.

A inteligência humana tem sido maléfica para si próprio, a ignorar o seu próprio sentimento, a sua própria dignidade, a sua própria origem. O ser humano esqueceu e antes da sua Autoridade e popularidade soterrou o seu caráter, o próprio caminho por onde passa.

Justiça! Vejo o mundo com muita tristeza. E tenho pena da nossa geração. Mas! Lágrimas ocultas não é a solução. Se bem que encurta o caminho da Justiça vindoura!

Temos um abismo a frente e é nele que estamos sendo empurrados. Pensem nisso!

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)